Fa(r)do

by - 14:00:00

Photo by Nuno Presa on Unsplash

Dói-lhe sem dor
Chora sem fervor
Grita sem ter voz
Lamenta deixar-nos sós.

É filho e se pai fosse
Deles seria o mais doce
A trautear para não cantar
A dar a mão para ensinar a andar.

Nos lábios com que corta o vento
Pendura-se estreito o lamento
De uma vida passada
De uma guitarra enfeitiçada.
Ela deu-lhe um coração
E ele caiu-lhe no chão
Quando Lisboa chorou
Ao som do fado que ele cantou.

E calou-se o trovador
Amainou-se el grande amor
Foi a guitarra a enterrar
Jurou ele não mais cantar.

Que as lágrimas dessa mulher
Foram no peito dele arder
Foi como o mais vil dos pecados
Separou os enamorados.

Tocam-se todos os dias
Entreolham-se nas avé-Marias
Lisboa e Tejo, uma paixão
Unidos e separados por um Fado, pois então.

You May Also Like

0 comentários